quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Quando amanhacer - capítulo IV

Gabriela foi acordada com um beijo, e em retorno deu um sorrizo para Marcelo.
- oi meu anjo . Disse ele
- ooooooi

Gabriela deu um sorrizo maroto e abaixou os olhos para se desviar dos dele. É engraçado mas a garota não estava tão feliz como achava que estaria. Gabriela não compreendia aquela pequena insatisfação, mas quis continuar ali, afinal, ela estava exatamente onde ela queria estar , com ele.
Ele resolveu se levantar e se dirigir ao um banho quente, enquando Gabriela fazia o café da manhã para os dois pombinhos. Leite com ovos .
Passaram a manhã juntos no sofá vendo filme até dar 14:00 e Marcelo ir para o trabalho, prometendo um telefonema e um jantar ás 19:00 . Gabriela ficou em casa e logo em seguida que seu amado saiu , correu para o telefone.
- Brito !
- ooi sumida !
- Socorro, Marcelo ainda é um principe mas o brilho dele está ficando fosco.
- como assim menina ?
- sei la ... to meio sei la
- hmmmm , você ainda não me explicou nada !
- ai esquece, vou trabalhar ... tchau amigo , beijocas...
- tchau

Gabriela se arrumou rapidamente, e saiu correndo para não perder o metrô que a levava para o Cyber café do outro lado da cidade. Estava muito quente, todos a sua volta parecia que estavam dispostos a matar alguem, Gabriela parecia a única do metrô com um sorrizo no rosto. Desceu na estação central. O Cyber Café era o maior fornecedor da cidade, e era um longo trabalho para a Garota até às 22:00 da noite. Chegando lá, estava vazio , ela e nem ninguem conseguia pensar em alguem tomando café em um dia de calor anestesiante como aquele dia, ás vezes entrava um louco ou outro tomava um pequeno expresso e se sentava á bera do seu notebook. Foi assim , até ás 20 horas onde um pé d'agua veio do céu para refrescar as pessoas daquela cidade, chuva abençoada era aquela, além de forte , serviu como abrigo para muitas pessoas que andavam apressadas na rua , logo, cafezinhos comaçaram a ser servidos. Eis que uma moça com um sorrizo terrivelmente tranquilizante pediu a Gabriela uma pequena xícara de chá.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Quando amanhecer- parte III

Gabriela já estava começando a entrar em um estado de pânico, e o declínio da sua felicidade vinha à tona. A noite vinha chegando e Gabriela junto com ela , chegava em casa para descançar e curtir a tristeza de ser ignorada , sozinha. Estava passando mais um daqueles clássicos na TV , e Gabriela pegou no sono até às 2:00 horas da manhã. Seu celular toca, um número diferente na tela e deu em Gabriela aquela tensão e expectativa, foi quando ...
- oi !
- oi .
- o que foi gabi?
- Marcelo ! você me ignorou a tarde inteira , te liguei 9 vezes !
- desculpa ... estava no trabalho ...
- ta , e chegou essa hora?
- me desculpa ...
- não sei , mal nos conhecemos e tu já apronta essa
- eu vou te compensar ...
- ae mesmo? e como , posso saber?
- espera, tu vai ver. tchau
- tchau Marcelo.

Não deu 30 minutos e o interfone toca, era o porteiro... dizendo que tinha um garoto, falando que era o namorado dela... pedindo para subir. Gabriela numa explosão de susto misturado com felicidade disse que poderia mandar o tal namorado subir o apartamento a cima. A campainha toca, e garota vai até a porta e quando abre , ele, com um lindo bouquet de flores

- oi minha namorada. disse ele com um sorrizo

os dois se beijaram e entraram para o apartamento que pareceu pequeno naquele momento .

sábado, 12 de setembro de 2009

Quando amanhecer- parte II

O sol veio socar a cara de Gabriela e ela abriu os olhos como se esperasse ver algo, abriu os olhos como uma criança que aguardava ansiosamente por uma surpresa e quando abriu os olhos, ela estava só. Gabriela não se sentiu triste, ela sabia que a noite passada tinha acontecido e o homem dos seus sonhos existia e melhor ainda, ele era seu. Um bilhete na mesa ao lado da cama lhe chamou a atenção. Marcelo deixou um bilhete de amor, com seu número e o aroma do seu perfume. A menina respirou fundo, se levantou da cama e foi embora do simpático apartamento que estava. No caminho para casa pensava no tal rapaz, e como tudo era bom perto dele, Marcelo era bom demais para ser verdade. Mal chegou em casa e seu telefone tocou, era Brito, seu melhor amigo...

- aaamiga onde você estava ?
- no céu Brito, no céus.
- aloca menina. Quem era aquele que estava com você ?
- aaaah, não sei muito dele , mas eu gosto.
- ta né , não preciso falar nada para a senhorita.
- a Brito vou tomar um banho , que tal irmos ao parque?
- ta , lá você me conta essa historia direito, 17 horas lá no parque ok ?
- ta beeem , beeiijo.

e assim foi, Gabriela tomou um banho, se arrumou e foi ao encontro do amigo. Chegou lá, Brito já a aguardava com dois sorvetes na mão e um sorrizo no rosto. Gabriela correu para um abraço forte

- toma, e me diz logo , o que rolou ontem ?
- ah B. você sabe . Mas esse não é o problema...
- problema?
- é... ele me passou o telefone dele , e eu não sei se ligo
- já devia ter ligado !
- serio?
- lóóógico, liga agora!
- huuum, ta.

Gabriela discou os numeros, chamava e chamava e nada da voz tão esperada do outro lado da linha. A menina aguardou mais alguns minutos , enquanto botava o papo em dia com o Brito, e ligou, dessa vez o telefone estava desligado.