sábado, 4 de dezembro de 2010

bipolaridade da vida.

Foi como se nós estivéssemos nos separando, eu me sentia mais velha e com mais responsabilidade também. Parecia que eu estava vendo o mundo diante de mim e estava deixando para trás a minha vidinha. A minha vidinha que deixou de ser chata e negra se transformou em apenas na minha vidinha, de pintinha no olho e tudo mais!

O vento que batia em minha pele e me condenava em um futuro sem você, me forçando a vagar pelas ruas em busca de encontrar alguém como você, e sentar em todas as mesas de bar na esperança que alguém chegue por trás e tampe os meus olhos e diga:

- suuurpresa vidinha!

Não, isso não vai acontecer. Nesse momento a minha vidinha volta a ficar escura e eu com a esperança de que o mesmo vento que batia em minha pele, me trouxesse de volta, você.

E já no escuro a minha vidinha começa a tremer, era o meu celular, atendo e...



- oi vidinha,estava com saudades,estou louca para voltar para o seus braços que é o meu lugar.

sábado, 6 de novembro de 2010

Veja dessa vez passarinho.

hoje eu perdi.
hoje deixei ir embora talvez a minha unica possibilidade de me equilibrar novamente
deixei vazar pelas estradas toda a ignorância que eu tive naquele tempo de escolha
e eu estaria melhor se o meu doce equilíbrio estivesse aqui
pois é para ele que eu corro toda vez que eu me resolvo me desapegar da minha fraqueza
era o meu equilíbrio, o meu pássaro e meu guia, como eu não pude perceber isso.
e agora o meu passarinho está voando, está voltando para casa e eu ja sinto sua falta.
me desculpe por minha ausencia e por estar dando preferência a fraqueza e a enganação, pura perca de tempo, e é por luxúria meu amor, por luxuria que me deixei levar pela fraqueza. Me perdoe por meu pouco caso, é assim que me defendo, mas nós dois sabemos que eu nunca precisei me defender de você, meu equilíbrio. Me desculpa ter escolhido a fraqueza em vez de você. Eu já sinto sua falta.

A arte do desapego.

A arte do desapego. Um certo dia vi em um livro sobre sentir a emoção no máximo e no fim deixa-lá ir embora. Entendeu? não? vou explicar melhor, você esta triste, sinta esse tristeza ao máximo e desapegue a essa emoção, deixe ela ir embora... Isso pode acontecer com coisas materiais tambem, isso aconteceu com o meu primeiro celular, ele era quase uma pessoa para mim e então um dia eu o troquei com meu primo, deixei esse meu desapego ir embora. Deixar ir embora, deixar.

Como começar o dia.

É um sábado, choveu a noite inteira e você depois de uma noite razoavelmente boa
acorda de manhã e pensa, hoje tem que ser melhor que ontem. Primeira coisa, respire e pense o que poderia acontecer hoje que te deixaria muito feliz.
Nada lhe vem a sua cabeça. Se esforce mais. Eu coço a cabeça reflito mais um pouco e chego a conclusão que se eu lesse e estudasse e visse um filme com o meu amor, o dia será um bom dia para mim, ê é isso que eu vou fazer.

domingo, 26 de setembro de 2010

'' É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã''

A pouco tempo atras eu via o mundo como uma criança, ignorava todos os problemas do mundo e centrava todas as minhas atenções a mim mesma. A três dias atras eu conheci o mundo como ele é. De olhos de uma criança eu vi quem é que manda.
Vi uma lenda se tornar realidade
e a lealdade não existir mais
a única lealdade que ainda existe no homem, é o dinheiro.
Dinheiro é o verdadeiro parceiro do homem.
A nova geração que todos acreditavam ser o futuro da nação, já era.
é isso mesmo...
a nova geração já está tomada.
e quanto mais gerações, ficará pior.
O dinheiro é o ser divino. Aquele divino que é material, que vemos e pegamos e conseguimos provar que existe e conhecemos bem o seu poder, e que poder, além que todos o seguem e o quer em sua casa.
Creio que se Jesus Cristo é filho Deus e veio ao mundo para nos salvar, o dinheiro é o meio que o Diabo encontrou para destruir o homem aos poucos.
Abaixo a Ganância.

domingo, 19 de setembro de 2010

i miss u so.

estou com saudades do seu cheiro
e tambem sinto falta de como você me olha e sorri.
mal vejo a hora de pegar no sono e acordar e saber que você vai estar lá.
estou louca para ver os seus olhos abrir pela primeira vez no dia
no meu dia.
te beijar pela manha e dizer que tive um sonho bom
e você estava nele
eu te amo tanto que
eu te amo tanto que meu olho se enche de agua só de tentar descrever esse sentimento
eu te amo tanto que eu posso reencarnar quantas vezes for eu ainda vou querer te conhecer pela primeira vez em todas minhas vidas que eu viver
seja meu,
seja minha vidinha.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

E lá estava eu, na boa e velha aula de história, a minha preferida como sempre foi e sempre vai ser. Quando me deparei com meu professor falando sobre a revolução francesa, uma revolução inspirada em liberdade, igualdade e fraternidade (coisas que nunca existiram, foi só algumas palavras usadas pela burguesia para manobrar a classe popular, mais isto não vem ao caso). E tentei pensar em todas as revoluções que já li sobre. A revolução hippie, revolução Black Power e White Power, revolução dos caras pintadas no Brasil, e estranhamente, todas elas foram os jovens que fizeram agora eu me pergunto, por quê?

Estranhamente os jovens têm um poder destrutivo e construtivo imenso, porem, ultimamente ela anda sendo manobrada pelos meios de comunicação em massa, (radio TV, internet e afins...). Agora pare e pense querido leitor, por que será que o maior poder em massa do mundo, vêem sendo controlado nos últimos 15 anos? As vezes fico com vergonha de dizer que tenho 18 anos, tenho medo de ser confundido com um daqueles caras com calça colorida que tem mentalidade de uma criança de 12 anos, acho isso o cumulo da imbecilidade, escutar musicas sem nexo, não estou criticando as musicas, e sim que escuta aquilo, vou falar uma frase que ouvi esses tempos no radio : “Aposto um beijo que você me quer...” porra, cadê a juventude que sobreviveu a uma ditadura militar fudida, que derrubou políticos, que fazia musicas tão bem pensadas que conseguiram passar pela censura da ditadura...

Será que a juventude está morta?

Creio que sim meu caro leitor, sem não estiver, está dando seus últimos passos...

Abra seus olhos, seus ouvidos e sua mente para tudo que está a sua volta, seja mais critico, mais realista, não viva num mundo “cor de rosa” que não existe... pare de gastar grana com a merda do cartão de crédito do teu pai com bolsas e com porra de tênis com 10 cores, vá comprar livros. Saia da frente do computador ou da televisão por míseros 40 minutos diários para ler um livro, um jornal ou uma revista (capricho e afins não contam como revistas... até gibi na Monica é mais cultural que capricho...)

Mais não precisa ser um rebelde sem causa, pois isso é mais idiota do que ser uma massa de manobra, seja você, sem influencia das pessoas, pense por você, não pelos outros.

Antes de ler um livro, tente fazer o seu, tente viver sua vida, ser feliz com as pequenas coisas

Um por do sol num dia vazio, sentado ao lado da pessoa que significa muito pra você, ou simplesmente deitar num gramado e contar estrelas como idiota, pois isto que faz sua vida, algo importante pra si próprio. De valor a sua opinião, mais não despreze a dos outros...

E acima de tudo antes de acreditar cegamente em um deus, critique-o...



por Guilherme Laudensack

Uma mensagem instantânea para Deus.

Jessica H. diz: Deus ! tu só pode está de sacanagem comigo ne ?
por que , porra , ta um calor do caralho
e eu estou fritando, que isso !?
castigo?!

Deus diz: calma, minha filha. É só um efeito que vocês seres humanos provocaram.

Jessica H. diz: EU?! EU NÃO PROVOQUEI PORRA NENHUMA. OLHA DEUS ! EU AMO AS ARVORES, ODEIO QUE JOGUEM PAPEL NO CHÃO, ODEIO QUE DESPEDISSEM AGUA, E OUTROS. ta... eu sei que é pouco, mas eu sou só uma menina eu faço a minha parte, você deveria me botar em um Pais ou em um lugar menos quente !

Deus diz: eu não posso fazer nada, o que vocês fizeram já foi feito, isso é apenas uma conseqüência.

Jessica H. diz: O QUE ?! ah quer saber, foi desperdício eu te adicionar no msn, falows Deus.

Jessica H. está offline

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

querido papai.

A muito tempo eu tive um pai.
Um pai que traia minha mãe e batia nela sempre depois de um trabalho duro.
Meu pai era um bom pai, apesar de ser um péssimo marido.
Eu adorava nossas tardes juntos, eu nunca tive muitos amigos mas meu pai valia por um milhão deles.
Quando ele chegava em casa, eu fazia uma festa, pulava nele, corria a casa inteira, o meu amigo veio me visitar. O meu pai gostava de dizer que eu era uma princesa e me balançava alto em seus braços fortes e seguros. Eu podia voar, eu sei disso.
Os meus dias eram bons. Eu me sentia protegida e amada pelo meu grande amigo, meu grande pai, eu sabia que ele jamais ia me abandonar, seriamos amigos para sempre!
O meu rei, ainda cansado, me jogava em seus ombros e corria comigo no quintal inteiro. Eu ria tanto e como se não bastasse ele me jogava no chão e me enchia de cócegas. E o tempo passou, e cada segundo desse tempo eu tinha certeza que eu não queria que esse segundo terminasse, era muito bom ter o meu anjinho amigo por perto. Um dia então, que parecia normal como todos os outros dias, o meu pai não voltou para casa. Ele me deixou lá o esperando, cada minuto que passava parecia horas, onde estava o meu amigo? eu estava com medo, será que aconteceu algo com o meu pai? minha mamãe estava chorando, ela não queria que eu soubesse por isso ela trancou a porta, ela chorava baixinho. Eu olhava pela janela a procura do meu pai para me fazer voar novamente, mas ele não voltou e eu nunca mais voei. Feliz dia dos Pais, Pai.

domingo, 1 de agosto de 2010

Assim digo e concreto, pelo menos eu espero.

Moldando o meu carater
coisa mais dificil não há
hoje fui considerada descontrolada
e eu estava
Mas em verdade te digo, corra da raiva.
saia
vá para outro lugar
corra desesperadamente para outro lugar
ou a raiva pode te matar.

sábado, 24 de julho de 2010

aliança de tinho e tinha.

''Já faz uns anos que eu não permito que alguém chegasse tão próximo de mim
uns 16 anos na verdade
e então você chega tão próximo, no íntimo, que eu não pude te impedir, você ja estava ali, no meu dia a dia
na minha mente e coração, na minha família, na minha casa e na minha pele.
Nunca me senti tão amada por alguém.
Na minha casa, tu serás tratado como rei.
és nobre e digno de todo amor do mundo.
Bom de mais para mim, uma plebeia suja.
suja e louca, desregulada e impiedosa
somos como céu e mar, sol e lua e branco e preto
nesse nosso dançar de antónimos, nós viramos os mesmos
dancei contigo, a noite inteira no misturar de nossas cores
éramos mais bonitos que o luar e no amanhecer... você se foi
nunca deixei alguém partir assim, não querendo deixar. ''

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Passarinho, sinto muito sua falta de: Borboleta Azul.

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Desabafe amor

Hoje eu descubri como é ser você.
hoje eu sei exatamente o que você pensa e como.
sei o que você sente, hoje eu sou você.
Por uma hora eu senti a dor que você sente.
senti tambem o que te encomoda, o que tanto te pertuba
Hoje finalmente posso te dizer que te conheço
agora eu sei quem é você.
Não me agradou muito no inicio, pensei até em ir embora
mas sem você, não dá.
eu já deixei muitos e parti
mas dessa vez, eu não quero ir.
eu quero ficar .
eu quero ficar com você, e ser você e sair com você.
sair daqui
e ficar com você.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Seu nariz.

Não é dia se eu não ti vejo, é uma janela que não se abre, meu sol. Nos teus olhos eu descubri uma razão para sorrir e na sua boca um motivo para ficar. O tempo é nosso maior inimigo e nosso melhor amigo. Não à tempo melhor quando estou contigo. Você é a melhor parte do meu dia. Maldita seja a hora que te vejo partir. Com você fica parte de mim e comigo, apenas a sua falta. Anda, acorda meu amor, o dia esta acabando e logo o meu sol vai se pôr. Bom é contigo ver o sol nascer te beijar e olhar teus olhos. Sorria por que eu estou sorrindo tambem. Seja meu sol e faça sombra com suas costas. me abraçe e não saia, em suas costas as pontas dos meus dedos exploram cada detalhe e você segura minha nuca, beijar suas mãos e olhar sua boca. Amor respire o mundo e a mim tambem. Eu te amo. Agora o nosso mundo é seu quarto e nosso mar, nós. Respire a mim tambem.

terça-feira, 6 de abril de 2010

mundos e desmundos.

Eu era uma criança no portão
vendo o movimento da rua, meus olhos negros como a noite,
meus cabelos lisos caiam em meus ombros,
lembro que os carros passavam à minha frente, e eu pensava em nada, apenas observava por entre as grades.
Nunca fui do tipo de criança que tinha amigos, mas compesação sempre fui uma menina apaixonada, silenciosa mas apaixonada.
Lembro que meu maior passatempo era separar a grande folha de uma pequena árvore que minha mãe tinha no quintal, eu passava horas e horas despedaçando-a. Isso quando eu não deitava no enorme gramado, mal plantado que tinha no nosso quintal, só para sentir as horas passar.
Meu mundo era ele, o meu quintal. Minha bicicleta tricíclo era meu automóvel, meus animais de estimação eram meus amigos, mas eu sempre os via partir sem um adeus. E eu, os enterrava ali mesmo, no meu quintal. Jimmy, o coelho branco, o peixinho, o meu peixe dourado, e por fim Cristal, minha gatinha siamesa. Meus dias eram muitos turbulentos. Minha mãe nunca teve muita condição de ficar correndo atras de mim, tanto por que , correr é uma coisa impossível para ela. Meu pai nunca foi do tipo de homem que eu gostaria como pai dos filhos, principalmente quando solbe que minha querida babá, que jogava belas tardes comigo de jogo da memória... estava tendo um caso com meu pai. Eu fui crescendo, e os meus problemas de criança já não eram simples problemas de criança. Foi assim até que minha tia, não tão próxima, veio me buscar. Lembro que ela era loira e muito bonita. Ela e seu marido bonzinho, me chamavam de filha, e eu até tinha um sobrenome bonito, Hayne... é alemão. Mas de alemã eu não tenho nada, sou mesmo ... bom, eu nem sei o que sou, sei que nasci em Caçu, onde foi que arrumei meus primeiros amigos e vivi com minha primeira familia 'certinha'. Lembro da nossa casa grande, com piscina e um belo gramado, dessa vez bem plantado e irrigado todos os dias. Mais uma vez eu tive um mundo, o meu gramado, meu reino de fantasia e minha piscina, meu mar. Mantive minha característica de menina apaixonada. Fui apaixonada pelo menino que sentava á minha frente por 5 anos, eu nunca contei a ele. De Caçu para Goiania, de Goiania para Caçu, de Caçu para Brasilia. Ah! Brasilia! , como diz Renato Russo, ''neste país lugar melhor não há''. Lá, meu mundo não era mais um quintal e meu mar não era mais minha piscina. Meu mundo era meu primeiro namorado e meu mar, seu sorriso. Foram 7 meses de puro amor e traição. Me despedi dele com um chingamento qualquer e peguei um onibus de volta a minha terra. Caçu estava lá, assim como Cristo, me esperando de braços abertos. Mas minha vida de interior e minha familia 'certinha' não durou o bastante. Fui me encontrar em Quirinopolis, que fez do mundo o meu mundo, e meu mar, meus olhos. E de lá eu saiu uma moça que ainda passa tardes deitada no gramado mal plantado sem me esquecer da criança no portão. Vida longa a juventude e as minhas idas e vindas !

Foda-se

Foda-se se vai dar problema
vai em frente, se divirta !
Foda-se se vão brigar contigo a hora que voce chegar em casa, cantarole e aproveite!
foda-se a sua prova de amanhã, eu não estou para ninguem e nem para nada.
Eu quero mesmo é uma praia, frio e muita cachaça.
Um bom vinho uma vez por mes e sexo se me vier à cabeça.
Quero dinheiro para gastar, e nada no pé.
Areia e mar.
pode vim o que vier.

Eu não ligo
Estou ao contrário
Querendo sair do buraco
E ao mesmo tempo, permanecer.

domingo, 4 de abril de 2010

Rainha de pedra ou doce florzinha.

Pessoas chatas ao meu redor.
Eu não gosto desse, credo ! não suporto aquele, ai gente... socorro... vamos para outro lugar ?
só deve haver um motivo muito infeliz para mim não gostar de quase todo mundo. Tem até aqueles que eu sinto uma certa, antipatia.... se é que me entendem. Pessoas que são considerados socialmente, muito , muito importante para nós, como meus pais, avos, tios, e cia. Ai, Deus que me perdoe. Mas quando eu olho aquelas caras gordinhas e olhos miúdos, dizendo algo irônico, e quando completam suas desventuradas frases e as assinam com um sorriso amarelo, he he he. Ô vontade de dar-lhes um tapa na cara e por fim, assinar meu ato com um sorriso amarelo e me virar, á francesa. Mas não, eu olho para eles com o meu olhar vago, mil e uma respostas grosseiras passam pela minha cabeça, mas eu continuo com a boca fechada, eu respiro, e saiu. Quase me explodi, mas eu continuo pedra. Há. Mas a verdade é que pedra também sangra. Acho que o problema, agora não vendo por um ângulo jessicalógico... seja eu. Claro! quem mais poderia? Infeliz sou eu, que tenho que acordar comigo e me aguentar o dia inteiro. Quem me dera ser doce e sorrir o tempo todo. Vou despedir desse meu pensamento e o carimbar como, não concluído.

domingo, 14 de março de 2010

Mallena.


É incrivel.
ela me confundi e me influencia em tudo, tudo que eu vou fazer, se ela dizer alguma coisa eu ja penso melhor.
No inicio ela só era o que ela mostrava ser, peitos e vento na cabeça. Mas com o tempo ela passou a mostrar que ela era mais que isso, Mallena tinha uma historia, e tinha problemas tambem !
puxa !
quem diria...
Eu fui me apegando a ela de tal forma que .
me desapeguei de tal forma que.
adeus, ''miga''

domingo, 21 de fevereiro de 2010

A roupa da moda.

Querido, acorde e sinta esse dia. Sinta o sol iluminar seu rosto, querido, sinta a brisa embaraçar o seu cabelo. Sorria.
Filho acorde !
Olhe ao seu redor, o que está acontecendo?
você não vê seus irmãos, você não se vê ?
Sinta o sol queimar seu rosto e veja seus irmãos morrerem por você.
Durma criança o noticiario já não fala mais a verdade, não esqueça de fazer a sua parte, apenas ore... Que Deus os abençõe e os alimente, e me dê o carro do ano no natal.
Criança não cresça, sente aqui, eu vou lhe contar como é o mundo. Sinta o sol iluminar seu rosto, a brisa embaraçar o cabelo, filho sirva-se de um delicioso panetone, e não se esqueça dos seus irmãos que morrem de fome.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Minha tão odiada tia.

Era uma noite comum na casa da minha família Lacerda, apesar de eu, Jéssica Borges, neta do meio de Sebastiana Lacerda, ser uma Borges. A noite estava ocorrendo irritavelmente normal, eu com raiva de todos ali e astuta sabendo que a qualquer momento um bote de alguém me atacaria. Levei vários botes, mas nenhum me atingiu, eu continuava firme como uma dama de gelo. Eu estava no meu quarto ouvindo uma boa música e fazendo meu dever, até que ouço meu nome ser tocado na sala, eu tenho uma espécie de sensor, sempre que alguém diz meu nome eu já fico na defenciva, não importa o que eu esteja fazendo, durmindo ou concentrada em alguma coisa. E assim foi, minha vó disse meu nome, imediatamente abaixei o som e olhei para o espelho á minha frente na parede, logo pensei '' O que essa vaca está falando ? '' . Acalmei os meus pensamentos e os voltei para a conversa da minha desaventurada avó. Não teve muito o que ouvir, por que não houve muito diálogo, pois fora cortado por alguns soluços de choro, era Cláudia, minha detestável tia, mas eu só a chamo de Cláudia mesmo, ás vezes para irrita-lá a chamo de Cláudinha, ela odeia e eu amo. A presença dela me encomodava tanto que era difícil disfarçar, aliás, eu nem disfarçava, eu apenas a comprimentava por entre os dentes para não parecer tão mal educada como tenho vontade de ser. Ela estava chorando, um choro triste, de quem tanto sofre. Ela soluçava e eu me lembrei que eu tambem soluço quando choro. Ela abriu a boca para falar algo, imagino que ela queria gritar de dor e agonia, ela mau falava e minha vó já a rebatia. Ela chorava tanto, que eu me senti mal, nunca pensei que eu me sentiria mal por ela, minha tão odiada tia. Queria que ela ficasse bem e seus interesses fossem conquistados. Ao mesmo tempo tomando essa consciência vi o tanto que minha vó ama a sua Familia Lacerda, talvez ela ate me ame, eu, Borges, mas não sei, tenho minha dúvidas, analisarei minha desgostosa vó, depois. Minha tia por sua vez aumentou seu tom de voz, ela estava falando o que a maguava tanto e naquele momento, ouvindo o que ela dizia eu me convenci do que eu mais temia, como eu sou parecia com minha tão odiada tia.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Saia do armário.

Você some e aparece
Me aparece quando quer
e some sem ao menos se despedir
passo um tempo em abstinência a ti, querendo te encontrar, talvez
mas quando você aparece, te encontrei mais uma vez.

Você é um meio mistério
sua outra parte, tambem.
Mistérios que eu posso conhecer
se você permitir.
Sei apenas o que você quer que eu saiba de você
e eu gosto de você

Aparece em minha porta mais uma vez
com uma rosa em sua mão
e dizendo que não ve a hora de se ver em meu olhar
e ouvir eu te dizer mais uma vez, fique.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Quando amanhecer-VI

Como em um piscar de olhos Gabriela acordou, a noite passou rapido... parecido com um piscar de olhos mesmo. Ela acordou e ficou na cama, não tinha nada no mundo que ela gostava mais do que acordar e ficar na cama. Ficou lá por uma hora ou duas, pensando e pensando naquele sentimento que ela trancou no fundo do coração. Relembrava cada milésio dos passos da tal moça misteriosa, cada piscar de olhos ,cada expressão facial, relembrava até do inesquecível sorriso de canto de boca.
Eu preciso conversar com ela ! acho que isso indica que podemos ser ótimas amigas! - Mentiu ela esperançosa para si mesma.
Gabriela queria tanto conhecer a tal moça que começou a se preocupar caso seus planos não dessem certo.
E se a tal moça nunca mais voltar na cafeteria? E se ela me despresar por eu estar servindo ela ? isso pode acontecer não é mesmo ? - Gabriela perguntava para si mesma

De repente o celular de Gabriela toca, quebrando o silêncio e os seus pensamentos. Olhando o visor ela viu o número de Marcelo, pensou em não atender, ela está tão encantada com a tal moça , tão animada com a possibilidade de uma nova amizade que não queria estragar os seus pensamentos e posteriormente seus planos. Mas ela atendeu.
- alo?
- Oi Gabi... acordei você ?- perguntou Marcelo com tom de desconfiança
gabi?- ela pensou
- não...não me contou não.
- me perdoa? Ontem eu estava muito nervoso.
- ah claro, tudo bem Marcelo, nós não podemos deixar que isso acabe com nós.
- não mesmo! jantar hoje?
- anh... ok.
- tudo bem , vou trabalhar. Tchau amor.
-tchau.

Unf- murmurou ela.
Finalmente Gabi se levantou da cama, seu longo cabelo castanho estava todo embaraçado, ela nem se preocupou em pentea-los. Ela passou pelo banheiro e pegou sua escova de dente e foi para o computador, onde ela estava vendo seus e-mails e ao mesmo tempo escovava seus dentes. Só havia uma mensagem nova que pertencia ao seu grande amigo Brito, ele anunciava e ao mesmo tempo me convidava para uma festa GLS, chamada Freak me. A menina ficou olhando aquele convite com descaso e pensando, por que o Brito me chamaria para uma festas dessas ? eu não sou gay !
mas ao mesmo tempo uma outra parte de Gabriela dizia para ela ir e se divertir , ela não precisava ficar com ninguem e muito menos com uma mulher.
Quando ela pensou na palavra mulher, voltou a se lembrar imediatamente da moça do café. Que fixação é essa? - ela se perguntou.

Unf!- murmurou novamente.
Gabriela não esperou mais pensamentos e pegou o telefone para ligar para Brito. O telefone tocou umas 5 vezes até o garoto atender

-Brito seu babaca ! hahaha
- oi gaaaata !
- oi, que e-mail é esse en? hm
- qual ? o da festa?
- exatamente !
- o que ??
- BRITO EU NÃO SOU GAY !
- eu sei minha filha ! só... ah ! pensei que você gostaria de se divertir com seus amigos...
- aah que gracinha Brito!
- poise, e você ai pensando coisas.
- não, digo, não pensei nada.
- sei. Então... vamos ?
- hm, vou pensar ok?
- ta... você que sabe.
- é.. bom , vou indo me arrumar para o trabalho Brito, beijos. Te amo
- tambem gataa !

Gabriela desligou o telefone, e foi procurar alguma coisa no seu armario. Acabou vestindo uma calça skinny com uma sapatilha e uma blusa qualquer.
bem simples para um dia normal- ela pensou

Ela deu uma olhadinha no espelho e saiu de casa, com os cabelos ainda todos despenteados. Hoje Gabi decidiu ir de metro, era mais rapido e assim a permitia tomar café da manhã. E assim foi, ela chegou na cafeteria que ela trabalhava, já tinha clientes, uns 6 no total. Ela mesmo se serviu e se dirigiu a mesa da janela. O simpatico capuccino estava delicioso e ela degustava cada gota, a menina era uma admiradora assumida por café. Quase terminando o café e já na última página das noticias da cidade, em um momento de distração, Gabriela olha para o lado e lá está ela.
O coração de Gabriela bateu mais forte, havia borboletas em seu estômago, ela mordeu os labios por um tempo... Gabriela tinha coragem e era cheia de si mesma, respirou fundo e mordeu mais uma vez seus ládios e foi lá, tentando esboçar um sorriso no rosto.
- Oi, está sozinha? - disse Gabriela
- anh? ah sim... quer uma cadeira? - sorriu a tal moça
e ali estava o verdadeiro motivo para Gabriela sair do seu lugar, o verdadeiro motivo do seu dia de ontem e talvez o de hoje tambem.
- anh, rs, não, eu na verdade gostaria de me sentar , posso?
- claro ! rs ainda bem que chegou ja estava me sentindo mal com esse jornal cheio de notícias ruins.
- acontece muita coisa ruim hoje em dia não é mesmo?
Que tipo de comentario foi esse gabriela? - a própria pensou.

- é ! desculpe, acho que te conheço.
- anh... acho que sim, eu trabalho aqui.
- é mesmo ! uau que legal!
- mais ou menos, hehe.
- hehe então... eu tenho que ir , tenho que trabalhar... desculpe.
- que isso ? tudo bem .. eu tambem tenho... não precisa se desculpar
a moça sorriu.
- tudo bem, tchau...
- tchau
Gabriela olhava a moça, e se sentia boba, feliz, com vergonha, com vontade de sorrir , com vontade de sair correndo, eram um muitos sentimentos e muitas contradições para uma pessoa só. Antes da moça da um passo ela se virou para Gabriela e disse:
- Desculpe novamente, qual é o seu nome ? não te perguntei.
- Gabriela...
- Sara.
a moça sorriu mais uma vez
- bom Sara, bem vinda ao Strub's
Sara sorriu mais uma vez, dessa vez olhando para o chão.
- obrigada

e saiu, dando de costas para Gabriela que agora boba com essa sessão de sorrisos, não conseguia nem pensar direito, demou um minuto para Gabriela voltar ao seu corpo. E agora de pé se dirigindo ao seu balcão para poder começar mais um dia mediocre ou não.