sábado, 4 de dezembro de 2010

bipolaridade da vida.

Foi como se nós estivéssemos nos separando, eu me sentia mais velha e com mais responsabilidade também. Parecia que eu estava vendo o mundo diante de mim e estava deixando para trás a minha vidinha. A minha vidinha que deixou de ser chata e negra se transformou em apenas na minha vidinha, de pintinha no olho e tudo mais!

O vento que batia em minha pele e me condenava em um futuro sem você, me forçando a vagar pelas ruas em busca de encontrar alguém como você, e sentar em todas as mesas de bar na esperança que alguém chegue por trás e tampe os meus olhos e diga:

- suuurpresa vidinha!

Não, isso não vai acontecer. Nesse momento a minha vidinha volta a ficar escura e eu com a esperança de que o mesmo vento que batia em minha pele, me trouxesse de volta, você.

E já no escuro a minha vidinha começa a tremer, era o meu celular, atendo e...



- oi vidinha,estava com saudades,estou louca para voltar para o seus braços que é o meu lugar.